(41) 3388.7800 - (43) 3306.7700
LinkedIn Facebook Twitter YouTube
 

> Painel Paz e Justiça: perspectivas de religiões, imigrantes e refugiados

Em noite repleta de emoção e empatia, o painel “Paz e Justiça” debateu temas como discriminação, preconceitos e exclusão social.
Painel Paz e Justiça: perspectivas de religiões, imigrantes e refugiados

No dia 16, em uma noite repleta de emoção e empatia, o painel “Paz e Justiça” da 1ª Semana da Diversidade de Curitiba reuniu líderes religiosos da Umbanda, com o Pai Antônio de Oxossi (Antonio Vitorino Cardoso Neto); do Islamismo, com o Sheikh Rodrigo Rodrigues; e do Budismo, com o Monge Mansei Wada; além de uma imigrante angolana, Amanda Kissua;  e uma refugiada síria, Myria Tokmaji, para debaterem temas como discriminação, preconceitos e exclusão social.

O encontro começou com o relato de Amanda, estudante angolana que veio ao Brasil para se aprimorar academicamente e que há cinco anos reside em Curitiba. “Aqui no Brasil a primeira pergunta que as pessoas fazem é qual o seu nome; a segunda qual a sua religião”, relata Amanda que hoje, atua como ativista na causa negra e no empoderamento feminino por meio do seu blog “Preta Urbana Angolana”. Myria emocionou o público ao contar a dura realidade dos refugiados de guerra, desde a decisão de abandonar sua terra natal até a chegada em um país diferente. “Nossa família foi uma das poucas que conseguiu retirar todos os integrantes da Síria. Quando saímos, nossa cidade Alepo, já estava sob forte bombardeio. O Brasil é um país que estava aberto para receber os refugiados, mas definitivamente não estava preparado para isso”, relata. Anos após a chegada, a família já está restabelecida financeiramente e carrega a força de sua história e tradição. “Estamos aqui para enriquecer ainda mais o Brasil com nossa cultura e tradições”.

Os líderes religiosos falaram não apenas sobre fé, mas sobre a importância da empatia com o próximo, do respeito e da diversidade presente em suas doutrinas. “Não existe paz sem justiça e homens justos buscam a paz. O Islamismo é uma religião de paz, que tem sido deturpada pelas ações e divulgação de atos de pessoas que não comungam do real sentido da religião”, explica o Sheikh. Pai Antônio realizou um resgate histórico e apresentou os conceitos da Umbanda. “A umbanda nasceu no Brasil e é cercada por estereótipos que ocultam a sua pluralidade”. O Monje Mansei Wada explicou a ligação do budismo com a natureza e a importância de aceitar o momento presente. “Nós temos que estar. Não se trata de estar feliz ou triste; não se trata do bonito ou feio; trata-se de ser e estar em sua essência, sem julgamentos”. “Nós somos de religiões diferentes, mas não podemos ser indiferentes uns aos outros”, encerra o Sheikh.

 

Última dia

Fechando a programação, no dia 17, será realizado o painel “Redução das Desigualdades”. A conversa contará com a participação do assessor de Direitos Humanos e Igualdade Racial de Curitiba, Adegmar J. Silva Candiero; a  psicóloga Karimme Santos Casezmark, da startup Laura; do sociólogo Edmar Brustolim, pesquisador associado do Grupo Dignidade; da designer Gabriela Pinheiro, uma das coordenadoras do projeto social Girls Rock Camp Curitiba, e com a mediação da professora Fabiana Schneider. Inscreva-se: http://bit.ly/2HWofxk 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Voltar
Fale conosco Artigos Ex-alunos ISAE Business Sustentabilidade Ações internacionais